Cientistas comprovam que o coração reflete as emoções

Estado de coerência cardíaca reflete as emoções e pode ser monitorado

duvida_200x175Quando se pensa em coração, logo vem à cabeça a frequência cardíaca ou a pressão arterial, medidas que refletem a saúde do órgão, por meio da contagem do número de batimentos e a força do sangue na parede das artérias. Uma nova mensuração, no entanto, tem ganhado espaço no mundo científico justamente por refletir uma característica atribuída popularmente ao coração: as emoções. Chamada de coerência cardíaca, o estado indica fisiologicamente o que chamamos de equilíbrio corpo e mente e pode ser monitorado e treinado.

O estado de coerência cardíaca foi descoberto por cientistas da Califórnia, dedicados aos estudos das implicações de emoções e do estresse na variabilidade da frequência cardíaca. Este indicador – que é o intervalo de tempo entre duas pulsações consecutivas – é modificado conforme as reações do sistema nervoso autônomo e pelas emoções – tornando-se um importante indicador fisiológico do estresse e de patologias associadas, como ansiedade.

Estudando o comportamento da variabilidade de frequência cardíaca perante situações do dia a dia, os cientistas perceberam que a pessoa emocionalmente equilibrada entra em sincronismo coração/cérebro e o intervalo de tempo entre suas pulsações cardíacas torna-se sinusal quando monitoradas num computador doméstico. “Pesquisas mostram que – quando o gráfico da variabilidade da frequência cardíaca fica em formato de onda – o corpo entra em coerência cardíaca, condição em que respiração, frequência cardíaca e pressão arterial encontram-se em harmonia. Conseguiram medir, então, fisiologicamente o perfeito ponto de equilíbrio do sistema nervoso autônomo e que essa harmonia interna pode ser perfeitamente treinada”, explica o pesquisador Marco Fábio Coghi – um dos maiores estudiosos do tema no Brasil. “Outra novidade: no estado de coerência cardíaca, o organismo aumenta a imunidade e ocorre, ainda, o controle automático do corpo sobre a produção de alguns hormônios, Quando em excesso, esses hormônios podem ser nocivos à nossa saúde, como o cortisol, conhecido hormônio do estresse. A coerência cardíaca também fomenta a concentração, tomada de decisão e o aprendizado”, afirma.

Treinamento

Os equipamentos de biofeedback são hoje uma das melhores formas de medir e treinar a coerência cardíaca. “Por meio de um sensor, o programa mede a variabilidade da frequência cardíaca e, com os resultados, propõe exercícios para alcançá-la”, explica Coghi. Até então estes equipamentos precisavam ser importados, mas recentemente uma tecnologia de biofeedback cardiovascular foi desenvolvida no Brasil pela incubada do Cietec da Universidade de São Paulo – NPT Neuropsicotronics– facilitando o acesso ao equipamento. Chamado de cardioEmotion, o software é plugado no computador pessoal e um sensor é colocado no dedo ou na orelha para avaliar o batimento cardíaco, e assim, o estado emocional da pessoa. Após o monitoramento, o usuário passa para o treinamento com games lúdicos e interativos, que propõem dinâmicas simples controladas pela concentração, emoção, visualização criativa e pela respiração coerente.

Ao jogar, a pessoa recebe notas de 0 a 10 conforme o desempenho alcançado. Quanto maior a nota, maior é o equilíbrio do nervoso autônomo e emocional.A resposta dos exercícios é imediata e vista em tempo real. Recomendamos práticas diárias de 20 minutos como ferramenta complementar-integrativa para ajudar na redução do stress, insônia, ansiedade, hipertensão e depressão”, explica o pesquisador.

Estudos

A redução de estresse e ansiedade por treinamento com biofeedback cardiovascular é amplamente reconhecida na literatura científica. Um trabalho científico apresentado no Congresso de Stress do ISMA-2013, mostrou que a redução no nível de estresse com o treinamento na tecnologia cardioEmotion em empresa brasileira foi expressiva, com redução de 62% no nível de estresse máximo, 49% no nível alto e aumento de 52% no nível mínimo, ou seja, no estresse bom (eustresse).

Estudos realizados com mais de seis mil executivos de grandes empresas europeias e americanas, como a Shell, British Petroleum, Unilever, Banco Hong Kong Shangai e HP, da Motorola utilizando biofeedback cardiovascular e coerência cardíaca mostrou redução do stress e das palpitações de 47% para 25 %, tensão física de 41% para 15%, insônia de 34% a 6% e ansiedade de 30% para 6%, além de diminuir o nível de cortisol em 23%. Houve, ainda, redução de sentimentos e/ou sensações de exaustão, redução de dores em geral (LER, dor nas costas, etc.) de 30% para 6% e redução na insatisfação pelo trabalho de 30% para 9%.

Outra pesquisa conduzida nos Estados Unidos, utilizando a prática do biofeedback cardiovascular em agentes prisionais apresentou a redução do custo em saúde de U$1170,00 por agente/ano.

Um outro estudo, da Academia Nacional de Ciências dos EUA, reuniu voluntários que realizaram exercícios de ritmo coerente diariamente durante 30 minutos. A pesquisa constatou aumento da taxa de DHEA (dehidroepiandrosterona), o chamado hormônio da juventude.

Agência NoAr

Mariana Machado Hinkel Administrativo.
Mariah Freitas
E-mail: mariah@agencianoar.com.br
Fone: (11) 31703094

Tags:, , ,

Nenhum comentário Quero comentar!

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment

Protected with IP Blacklist CloudIP Blacklist Cloud

Dados do Autor

Diversos Autores

Diversos autores colaboraram nos textos existentes no EsteticDerm. Alguns dedicaram suas matérias de forma específica. Outros foram colhidos em sites que disponibilizam material e publicados após análise e aprovação da equipe de editores. As fontes na Internet são muitas mas sempre haverá busca, análise e aprovação do texto seja qual for sua origem. O enfoque principal é beleza e saúde do corpo humano embora tenhamos áreas de leitura geral. Muitas das publicações foram elaboradas por autoridades no assunto proposto. O conteúdo dos textos, artigos e matérias é de responsabilidade total de seus autores.

Email Site /blog

Dados desta matéria