Reflexões sobre o bullying

Por Breno Rosostolato*

Bullying é um termo inglês originário de bully, que significa “valentão” ou “tiranete” que,
especificamente, é aquele que abusa de sua autoridade ou posição para oprimir os que dele dependem.

O termo bullying designa os atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outra pessoa (ou grupo de indivíduos) incapaz(es) de se defender. Este comportamento agressivo possui uma forma direta como apelidos, xingamentos,roubos e gestos ofensivos, a forma indireta está relacionada com difamações, isolamento e indiferença, ou seja, quando a vítima está ausente.

Saber identificar o bullying é importante, nem todo machucado ou arranhão é sinal de que a criança esteja sofrendo agressões, os meninos principalmente, possuem brincadeiras um pouco mais ríspidas o que é natural, as crianças disputam brinquedos e depois que passa o conflito, brincam juntas novamente. Para caracterizar o bullying, as agressões devem ser frequentes, ou seja, repetidas e intencionais.

A criança passa por situações que causam dor ou sofrimento todos os dias, sinais que podem denunciar o bullying são quando a criança começa a dar muitas desculpas para não ir á escola, chorar, ficar ansiosa e agitada são os sinais mais evidentes. Se a criança tinha um bom rendimento escolar e, subitamente, este aproveitamento declina, é necessário averiguar o porquê disso, pode ser consequência da violência sofrida na escola.

Uma vez identificado, os pais devem procurar a escola imediatamente para interromper as agressões, é importante identificar e atuar diretamente com as crianças envolvidas. Se a escola não atuar, cabe aos pais procurarem o Conselho Tutelar para medidas diretas de proteção à vítima. Aos pais, o importante é conversar com o filho e deixar claro que a culpa não é dela, a criança deve sentir-se acolhida e confortável com o apoio dos pais.

O papel da escola é propiciar um espaço de confraternização, respeito e diálogo, trabalhar questões de cidadania e valores, tão importantes para conscientizar os alunos sobre direitos e deveres. A prevenção é sempre a melhor maneira de encarar o problema do bullying, que muitas vezes é silencioso, quanto mais cedo for identificado, mais eficazes serão os métodos de intervenção contra o ciclo conflituoso. A escola deve ainda convocar uma reunião com os pais dos alunos envolvidos. O trabalho deve ser feito junto à família, pois o envolvimento dos pais é importante para estabelecer uma parceria entre a família e a instituição, os pais devem ser exemplos para os filhos e devem participar da vida deles.

O professor possui um papel primordial para o combate ao bullying, pois, além de identificar autores, espectadores e alvos, deve intervir imediatamente numa situação de agressões gratuitas e propositivas entre os alunos. Este posicionamento do professor é de respeito e, portanto, exemplar, muitas vezes, se colocar no lugar da vítima é uma maneira satisfatória para distinguir a brincadeira inocente e a brincadeira agressiva, o professor deve comunicar o ocorrido à direção.

Atividades que estimulam a solidariedade e a cooperação são os instrumentos que o professor deve usar neste momento de conflito. Conversar com a sala de forma clara e direta sobre a importância de respeitar o colega, e o trabalho didático deve proporcionar uma discussão sobre as diferenças, logo, trabalhando a tolerância.

As consequências do bullying para a criança, num primeiro momento são baixa estima choros frequentes, agitação e ansiedade, principalmente se estes comportamentos aparecerem um pouco antes da criança ir para a escola, medos inexplicáveis, insônia, falta de apetite e urinar na cama. Num segundo momento a criança apresenta stress, dores de cabeça e pode apresentar um comportamento melancólico, ou seja, isolamento.

A criança não brinca mais como antes, se afasta dos amigos e fica em casa, evitando sair, dificuldade de concentração e baixo rendimento escolar, dificuldades de relacionamento e mudanças constantes de humor são agravantes que acompanham o estado emocional da criança. Num momento mais acentuado do bullying, pode apresentar síndrome do pânico, automutilação, como arrancar o cabelo, se furar ou se cortar, depressão e até suicídio.

A psicoterapia é aconselhável em casos mais graves do bullying, em que é nítido um comprometimento e embotamento emocional. O trabalho psicoterápico é dar vazão ao conflito e a tensão sofrida pela criança, trabalhando o trauma e fornecer recursos para a criança superar as frustrações. Em casos mais extremos do problema, a psicoterapia deve resignificar as emoções negativas e destrutivas a fim de restabelecer a afetividade, a serenidade e a espontaneidade da criança.

*Breno Rosostolato

é psicólogo e professor da Faculdade Santa Marcelina – FASM.

RICARDO VIVEIROS OFIC. DE COMUNIC. LTDA.

Mariana Santos
E-mail: mariana.santos@viveiros.com.br
Fone: (11) 36755444

Tags:,

Nenhum comentário Quero comentar!

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment

Protected with IP Blacklist CloudIP Blacklist Cloud

Dados do Autor

Diversos Autores

Diversos autores colaboraram nos textos existentes no EsteticDerm. Alguns dedicaram suas matérias de forma específica. Outros foram colhidos em sites que disponibilizam material e publicados após análise e aprovação da equipe de editores. As fontes na Internet são muitas mas sempre haverá busca, análise e aprovação do texto seja qual for sua origem. O enfoque principal é beleza e saúde do corpo humano embora tenhamos áreas de leitura geral. Muitas das publicações foram elaboradas por autoridades no assunto proposto. O conteúdo dos textos, artigos e matérias é de responsabilidade total de seus autores.

Email Site /blog

Dados desta matéria