Cresce a gama de métodos contraceptivos

Não ter filhos é uma decisão que envolve a escolha do melhor método de contracepção.

contraceptivo01Há um ou vários métodos indicados para cada caso e a escolha passa pela avaliação da mulher, do parceiro e do médico. A informação ainda é a melhor aliada para a análise dos riscos e benefícios de cada método contraceptivo.

A Dra. Daniella De Batista Depes, encarregada do Setor de Histeroscopia do Hospital do Servidor Público Estadual de São Paulo, lista abaixo os principais métodos existentes com seus prós e contras.

Métodos Definitivos

Laqueadura por histeroscopia: Essure é um pequeno dispositivo para quem não deseja mais filhos. Consiste em um microimplante macio e flexível que, introduzido pela vagina por um equipamento extremamente fino (o histeroscópio), é colocado em cada uma das tubas uterinas e forma uma barreira natural irreversível que impede a passagem do espermatozoide. Até a oclusão do canal, durante os três primeiros meses, a paciente deve continuar a usar outra forma de contracepção. Método definitivo com eficácia de 99,8%, é um procedimento moderno, rápido, ambulatorial e minimamente invasivo. Realizado sem cortes, dispensa o uso de anestesia e internação. Não contém medicamentos ou hormônios. O retorno às atividades diárias é imediato. Como todo método definitivo, a mulher precisa ter mais de 25 anos ou dois filhos.

Microimplante Essure

Laqueaduras cirúrgicas: Com a obstrução das tubas, o espermatozoide é impedido de chegar ao óvulo. A cirurgia não pode ser feita no momento do parto, a não ser que a mulher corra risco de morte caso engravide novamente. Pode ser feita por duas vias, laparotômica, com uma incisão grande, ou laparoscópica, com duas ou três pequenas incisões, quando a cirurgia conta com o auxílio de uma minicâmera inserida no interior do abdômen.

Vasectomia: É um procedimento cirúrgico permanente, seguro, simples e rápido. Pode ser feito em uma clínica ou consultório. Não afeta o desempenho sexual.

Dispositivo Intrauterino

DIU – Dispositivo Intrauterino: É um objeto pequeno de plástico flexível, podendo conter cobre ou hormônio. O dispositivo é inserido no útero da mulher e pode ser realizado em ambulatório. O DIU hormonal reduz o fluxo menstrual e as cólicas. É reversível, não interfere nas relações sexuais e tem alta eficácia.

Contracepção Hormonal

Contraceptivo oral: É o método mais popular. Pode prevenir, além da gravidez, os sintomas da TPM, acne, endometriose, cólica e síndrome dos ovários policísticos. Regula o ciclo menstrual. Exige disciplina para ingestão oral diária. Contraindicado para mulheres fumantes com mais de 35 anos e hipertensas.

Contraceptivo injetável: Com os mesmos princípios da pílula, a injeção de hormônios pode ser feita mensal ou trimestralmente. Dispensa a disciplina da ingestão oral diária.

Implante: Pequeno bastão inserido embaixo da pele na parte superior do braço, que libera hormônio lentamente em doses constantes. Reduz a menstruação, pode reduzir a TPM e tem validade de três anos.

Anel vaginal: Feito de silicone, é introduzido pela mulher na região vaginal e libera hormônios diretamente na circulação sanguínea. Apresenta eficácia de 99,6% a 99,8%, não oferece incômodo e tampouco atrapalha o ato sexual. Diminui o fluxo menstrual e a frequência de cólicas.

Adesivo: O anticoncepcional sob a forma de adesivo deve ser colado na pele do braço, nádega ou abdome, e libera aos poucos os hormônios no organismo. Não pode ser utilizado por mulheres que pesam mais de 90kg. O adesivo pode descolar com suor excessivo ou com banhos muito quentes.

Contracepção de emergência: A pílula do dia seguinte não deve ser considerada um método contraceptivo, pois deve ser usada quando o método habitual falhar. Possui alta dosagem hormonal.

Métodos de Barreira

Preservativo: Único método que protege de doenças sexualmente transmissíveis (DST). Existem modelos variados, das femininas às masculinas. Mas sua segurança depende de armazenamento adequado, da técnica de uso e, principalmente, da utilização em todas as relações sexuais.

Diafragma: Cúpula flexível que a mulher coloca na vagina cobrindo completamente o colo uterino e a parte superior da vagina, impedindo a passagem dos espermatozoides. Recomenda-se o uso associado ao creme espermicida.

Métodos Comportamentais

Tabelinha: Técnica para evitar a gravidez mediante a auto-observação de sinais e sintomas que ocorrem no organismo feminino ao longo do ciclo menstrual. O cálculo do período fértil da mulher é feito mediante a análise de seu padrão menstrual prévio. O casal deve abster-se de relações sexuais com contato genital durante o período fértil. É aconselhada a associação de outro método, como o preservativo.

Coito interrompido: A relação sexual interrompida antes da ejaculação é uma prática que pode ser considerada, mas não é recomendada como único método anticoncepcional. Pode ser útil em situações de emergência, mas apresenta alta possibilidade de falha. Deve ser prontamente substituído por outro método contraceptivo mais eficaz.

ADS Comunicação Corporativa

Vera Santiago – veras@adsbrasil.com.br – (11) 5090-3016
Jacqueline Miranda – jacquelinem@adsbrasil.com.br – (11) 5090-3036

Tags:

Nenhum comentário Quero comentar!

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment

Protected with IP Blacklist CloudIP Blacklist Cloud

Dados do Autor

Diversos Autores

Diversos autores colaboraram nos textos existentes no EsteticDerm. Alguns dedicaram suas matérias de forma específica. Outros foram colhidos em sites que disponibilizam material e publicados após análise e aprovação da equipe de editores. As fontes na Internet são muitas mas sempre haverá busca, análise e aprovação do texto seja qual for sua origem. O enfoque principal é beleza e saúde do corpo humano embora tenhamos áreas de leitura geral. Muitas das publicações foram elaboradas por autoridades no assunto proposto. O conteúdo dos textos, artigos e matérias é de responsabilidade total de seus autores.

Email Site /blog

Dados desta matéria