Cinco coisas que você deve saber sobre epilepsia

Pessoas com epilepsia podem ter uma vida normal, mas,
para isso, é preciso quebrar estigmas e preconceitos

Paciente e especialista contam a importância da conscientização para melhor convívio com a doença

A epilepsia é a doença neurológica mais comum do mundo, acometendo cerca de 50 milhões de pessoas, de acordo com Organização Mundial de Saúde (OMS). Ainda assim, os pacientes enfrentam diariamente o preconceito, que se origina, principalmente, da desinformação por parte da maioria da sociedade.

Eduardo Caminada Júnior, um dos grandes nomes na luta pela conscientização sobre a epilepsia no país, foi diagnosticado aos 3 anos de idade e com o tempo aprendeu a conviver bem com a doença e os estigmas provenientes dela. Atuando como Diretor do Purple Day® Brasil (Dia Mundial de Conscientização da Epilepsia) e membro da diretoria da Associação Brasileira de Epilepsia (ABE), ele fala da importância de dar mais voz a quem passa pela mesma condição.

Como toda doença, existem sim desafios a serem enfrentados para o tratamento e estabilidade do quadro, mas o preconceito não deveria estar entre eles”, conta Caminada.

Caminada elencou cinco pontos que merecem destaque quando se trata da epilepsia e da falta de conhecimento. Como complemento clínico, a Dra. Maria Luiza Manreza, neurologista pela Universidade de São Paulo (USP), aponta aspectos importantes:

  1. Não é uma doença transmissível – “É comum que as pessoas especulem a transmissão pela saliva, por exemplo, que é produzida em excesso durante uma crise tônico-clônica generalizada, aquela na qual a pessoa pode perder a consciência e cair. No entanto, trata-se de uma doença neurológica, que não é transmitida pelo contato”, explica a Dra. Maria Luiza.
  2. A epilepsia não afeta a cognição – Essa é não é uma doença mental, mas neurológica, que não impede qualquer faculdade mental.
  3. Existem diferentes manifestações da doença, além da convulsão – A epilepsia se manifesta de formas distintas em cada paciente. “Alguns exemplos são as crises de ausência, caracterizada por um “desligamento”, em que o paciente fica com o olhar fixo e perde o contato com o meio por alguns segundos, voltando depois como se nada tivesse ocorrido, e as crises focais, quando comprometem áreas mais restritas do cérebro”, diz a especialista.
  4. Não é possível engolir a própria língua – “Essa é uma das constatações que mais escuto”, conta Eduardo. Biologicamente, não é possível engasgar com a própria língua, o que não deve ser uma preocupação frente a uma convulsão. No entanto, é possível engasgar com a saliva, por exemplo, e por isso é necessário virar o paciente de lado, afastar objetos e esperar a crise passar.
  5. Eu posso viver uma vida normal! – Pessoas com epilepsia podem e devem ter uma vida normal. “Existem tratamentos diversos para a epilepsia, através de fármacos, dietas e até mesmo cirurgias, que estabilizam a doença e evitam crises”, pontua a Dra. Maria Luiza. “Sigo uma vida normal, tenho uma filha saudável, trabalho e sou feliz, mas isso só aconteceu depois de um processo longo e necessário de compreensão da minha doença, que envolveu falar sobre ela também”, finaliza Caminada.

UCB Biopharma

A UCB é uma empresa biofarmacêutica centrada no paciente, cujo compromisso é desenvolver ações de sensibilização para doenças dos sistemas imunológico e sistema nervoso central, mediante a divulgação de informações para os pacientes, cuidadores e a comunidade em geral. Potencializa avanços científicos e habilidades em áreas como genética, biomarcadores e biologia humana, a fim de aprimorar o conhecimento para levar aos pacientes o medicamento e o tratamento mais adequado.

BURSON MARSTELLER S/C LTDA

Giulia Armoni
E-mail: Giulia.Armoni@bm.com
Fone: (11) 30942240

Tags:

Nenhum comentário Quero comentar!

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment

Protected with IP Blacklist CloudIP Blacklist Cloud

Dados do Autor

Diversos Autores

Diversos autores colaboraram nos textos existentes no EsteticDerm. Alguns dedicaram suas matérias de forma específica. Outros foram colhidos em sites que disponibilizam material e publicados após análise e aprovação da equipe de editores. As fontes na Internet são muitas mas sempre haverá busca, análise e aprovação do texto seja qual for sua origem. O enfoque principal é beleza e saúde do corpo humano embora tenhamos áreas de leitura geral. Muitas das publicações foram elaboradas por autoridades no assunto proposto. O conteúdo dos textos, artigos e matérias é de responsabilidade total de seus autores.

Email Site /blog

Dados desta matéria