Cinco perguntas mais importantes sobre Mamografia Tomográfica

Exame aumenta precisão diagnóstica do câncer de mama

Um dos grandes avanços da detecção precoce do câncer de mama é a mamografia tomográfica – também chamada de tomossíntese ou mamografia 3D. Trata-se de um exame muito semelhante à mamografia convencional, realizado no mesmo tipo de mamógrafo, fazendo com que a mama permaneça comprimida por mais alguns segundos e fornecendo então as imagens tomográficas.

Estudos realizados pelo CDB Premium, em São Paulo, primeira clínica brasileira a investir na tecnologia, revelam aumento de 12% na detecção da doença em relação à mamografia digital. Na opinião de Aron Belfer, médico radiologista especialista no diagnóstico de câncer de mama e coordenador dos estudos, a grande vantagem dessa técnica é permitir enxergar o câncer numa fase muito precoce e em mamas densas e heterogêneas, que são difíceis para a mamografia convencional. Abaixo, o médico responde às cinco principais dúvidas sobre a mamografia tomográfica.

1- Como é realizada a mamografia tomográfica?

Aron Belfer – “Na mamografia tomográfica, ou tomossíntese, o equipamento é semelhante a um mamógrafo digital. Trata-se de uma tecnologia que adquire uma série de imagens bidimensionais (2D) da mama comprimida durante o deslocamento em arco do tubo de raios-x. Objetos que estão em diferentes alturas dentro da mama vão se projetar em lugares diferentes nas imagens obtidas nos diferentes ângulos. Com o auxílio do computador, é possível reconstruir imagens de toda a mama. Essas imagens representam fatias de um milímetro de espessura de toda a mama”.

2- Quais as vantagens?

Aron Belfer – “Um dos problemas mais comuns é a superposição de estruturas em planos diferentes da mama, criando imagens que podem simular lesões suspeitas. Na tomossíntese, cada imagem representa um plano de um milímetro da mama, eliminando a superposição dos tecidos. Com isso, há melhor definição das bordas das lesões (fator fundamental para a definição de seu aspecto benigno ou maligno), possibilitando obter melhor detecção de lesões sutis e fornecendo excelente localização espacial. Sendo assim, sabemos em qual plano a lesão é detectada”.

3- O método diminui o número de biópsias?

Aron Belfer – “Sim. Trata-se de um método que traz aumento de sensibilidade (maior detecção de câncer) e especificidade (menos falso-positivos). Como consequência, permite distinguir entre as imagens verdadeiramente suspeitas e aquelas provocadas apenas por superposição de estruturas normais, diminuindo o numero de biópsias. Nos casos em que as biópsias são evitadas, as pacientes são poupadas de procedimentos complexos. Além de aumentar a detecção do câncer da mama, a tomossíntese possibilita a detecção de tumores menores, fato que tem implicação direta na sobrevida das pacientes e na sua qualidade de vida. Vale ressaltar que tumores menores permitem o uso de cirurgias menos mutilantes e um menor custo no tratamento”.

4- A tomografia mamária aumenta a precisão do diagnóstico?

Aron Belfer – “Sim. Quando o exame é realizado de forma combinada (mamografia digital e tomossíntese), há um aumento de, em média, 12% na detecção do câncer da mama em comparação com a mamografia digital isolada. Mas, mesmo com toda a tecnologia disponível atualmente, é possível detectar cerca de 85% de todos os cânceres. Para atingir os 100% há que se melhorar muito”.

5- É difícil diagnosticar um câncer de mama?

Aron Belfer – “Sim. Como existem vários tipos de câncer de mama, ele pode se apresentar de diferentes formas. Alguns se apresentam como calcificação, outros como nódulos, outros infiltram o tecido normal de uma forma tão sorrateira que não podem ser distinguidos nem pela mamografia, nem por outros métodos, como, por exemplo, o ultrassom. Alguns nódulos malignos têm as mesmas características dos benignos nos exames de imagem. A velocidade de crescimento dos tumores também é outro fator. Os de crescimento rápido aparecem no intervalo entre as mamografias anuais. É importante ressaltar que os métodos de imagem têm o papel de ‘encontrar’ a lesão, muitas vezes podendo sugerir o seu caráter maligno ou benigno. Mas apenas a biópsia pode ‘diagnosticar’ o câncer”.

Dr. Aron Belfer,

médico radiologista do CDB Premium, em São Paulo – www.cdb.com.br

Press Página Projetos de Comunicação

H H Paiva – ME
Heloisa Paiva
E-mail: heloisa@ppagina.com.br
Fone: (11) 28949976

Tags:,

Nenhum comentário Quero comentar!

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment

Protected with IP Blacklist CloudIP Blacklist Cloud

Dados do Autor

Diversos Autores

Diversos autores colaboraram nos textos existentes no EsteticDerm. Alguns dedicaram suas matérias de forma específica. Outros foram colhidos em sites que disponibilizam material e publicados após análise e aprovação da equipe de editores. As fontes na Internet são muitas mas sempre haverá busca, análise e aprovação do texto seja qual for sua origem. O enfoque principal é beleza e saúde do corpo humano embora tenhamos áreas de leitura geral. Muitas das publicações foram elaboradas por autoridades no assunto proposto. O conteúdo dos textos, artigos e matérias é de responsabilidade total de seus autores.

Email Site /blog

Dados desta matéria