Implante de silicone caiu no gosto das brasileiras

Especialista fala sobre a cirurgia que deixa os seios maiores e
mais bonitos e dá dicas sobre a prótese e o período pós-operatório.

O implante de silicone nas mamas é a cirurgia plástica preferida das brasileiras. De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), a colocação de próteses nos seios corresponde a 21% de todas as cirurgias estéticas realizadas no Brasil, cerca de 110 mil intervenções por ano. “Além do número de cirurgias aumentarem cada vez mais, o tamanho das próteses também estão ficando maiores. A maioria das mulheres escolhe implantes de 300 ml ou mais para colocar nos seios”, ressalta o cirurgião plástico Alderson Luiz Pacheco, membro da SBCP.

Existem dois tipos de silicone no mercado, o gel e o líquido. No caso dos implantes de silicone de uso médico, a substância deve ser em gel e de alta coesividade, o que impede que o material escorra ou se desloque de um lugar para outro. “O recomendado é que as próteses fossem trocadas de 15 a 20 anos após a cirurgia. Depois dos problemas com duas marcas de próteses, a recomendação passou a ser de 10 em 10 anos. Para trocar é feita a retirada parcial ou total da cápsula que o organismo forma em volta da prótese e é feita a troca do implante”, explica.

São várias as técnicas para a colocação da prótese dos seios. O implante pode ser realizado na aréola, axila, sulco dos seios e até pelo abdômen. A escolha varia conforme a condição da paciente e da escolha do médico. “Se a prótese for colocada pela aréola há três opções de corte. A primeira é a meia-lua, na qual é feita uma incisão entre a linha da pele e da aréola. A segunda é a linha reta, quando o cirurgião faz um corte reto, cortando o mamilo ao meio. E a terceira é a mistura das duas anteriores, um corte reto no meio da aréola e circular no mamilo”, esclarece.

Segundo Pacheco, a incisão pela axila é pouco usada atualmente devido à inflamação do linfonodo sentinela – principal gânglio linfático a receber a drenagem de um câncer – durante a cirurgia, o que pode atrapalhar a avaliação da extensão da doença no organismo. “O mais comum é fazer a incisão do sulco mamário e o areolar. O corte do sulco mamário é considerado a melhor opção para tratar um possível queloide. No caso da aréola ainda há a questão estética, já que esta é a primeira parte do seio a ser vista”, afirma o especialista, mestre em Princípios da Cirurgia utilizando o laser.

Para assegurar o sucesso do implante de silicone, a paciente deve ficar em repouso por pelo menos 30 dias. Nada de esforços físicos, movimentar os braços em excesso, molhar os curativos ou se expor ao sol ou a friagem. “É preciso obedecer rigorosamente às instruções que serão dadas na alta hospitalar, especialmente aos aspectos ligados a movimentação dos membros superiores e as massagens. Deve ser feito um controle pós-operatório nos dias e horários marcados com o médico e a alimentação é normal, salvo em situações especiais”, acrescenta.

No que diz respeito à recuperação, Pacheco ainda faz um alerta para as pacientes. “Devido ao fato da pessoa estar se sentindo muito bem, ela pode se esquecer de que passou por uma intervenção cirúrgica recentemente e fazer esforços prematuros que poderão trazer prejuízos ao corpo e aos resultados da operação. É necessário cuidado até durante as relações sexuais, para não mexer os braços. De qualquer forma estas atividades são liberadas após três semanas”, observa. Mesmo após a liberação médica, na volta aos exercícios físicos só são permitidos treinos para as pernas e barriga.

Para não cair em roubadas, a paciente deve se certificar se o médico é credenciado na SBCP. Outras precauções são solicitar a liberação da prótese na Anvisa, analisar se o gel é coesivo no interior da prótese, verificar a origem do gel e do implante, observar o local onde a prótese foi fabricada e onde foi montada e solicitar outras próteses da mesma marca para apalpar e conhecer o produto. “Buscar referências com outras mulheres que já fizeram a cirurgia também é fundamental”, finaliza Pacheco.

Doutor Alderson Luiz Pacheco (CRM-Pr 15715)  
Cirurgião Plástico  
Site: http://www.alplastica.com/  
Blog: http://draldersonluizpacheco.wordpress.com  
Email: plastica.pacheco@yahoo.com.br  
Fone: 41 3022-4646  
Endereço: Rua Augusto Stellfed, 2.176, Champanhat, Curitiba/PR  

Toda Comunicação
Vero Lettera Comunicação Ltda
Verônica Pacheco
E-mail: veronica@todacomunicacao.com.br
Fone: (21) 37954736

Tags:, , ,

Nenhum comentário Quero comentar!

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment

Protected with IP Blacklist CloudIP Blacklist Cloud

Dados do Autor

Diversos Autores

Diversos autores colaboraram nos textos existentes no EsteticDerm. Alguns dedicaram suas matérias de forma específica. Outros foram colhidos em sites que disponibilizam material e publicados após análise e aprovação da equipe de editores. As fontes na Internet são muitas mas sempre haverá busca, análise e aprovação do texto seja qual for sua origem. O enfoque principal é beleza e saúde do corpo humano embora tenhamos áreas de leitura geral. Muitas das publicações foram elaboradas por autoridades no assunto proposto. O conteúdo dos textos, artigos e matérias é de responsabilidade total de seus autores.

Email Site /blog

Dados desta matéria