TDAH: Tratar ou não nas férias escolares?

Muitas vezes, é na escola que os sintomas do TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) começam a se tornar mais evidentes.

Não é raro a criança na fase inicial de aprendizagem apresentar inquietude, dificuldade de concentração, ser distraída, avoada e passar a impressão de que vive no “mundo da lua“. Mas quando esses, entre outros sintomas, trazem prejuízos para o aprendizado e convívio social, pode ser um sinal de que algo não vai bem.

Na maioria dos casos, o professor é o primeiro a identificar os primeiros sinais e é quem, geralmente, alerta os pais e os instrui a procurar um médico para uma avaliação sobre a possibilidade de um caso de TDAH. Médicos especialistas no desenvolvimento neurológico e comportamental, geralmente psiquiatras e neurologistas infantis, são profissionais habilitados a confirmar o diagnóstico. Os sintomas devem estar presentes em dois ou mais ambientes (social, afetivo, familiar, escolar e/ou profissional) e trazerem prejuízos para a vida da criança”, explica o neuropediatra e professor assistente da Faculdade de Medicina do ABC, Dr. Rubéns Wajnsztejn.

Com a indicação pela busca de um profissional vinda da escola e o diagnóstico confirmado, alguns pais imaginam que os sintomas só prejudicam a criança no ambiente escolar. E com a chegada das férias, a decisão de muitos é de interromper o tratamento.

Porém deve-se considerar que sem o tratamento a criança pode não conseguir desfrutar as férias, brincar e se relacionar, os sintomas podem atrapalhar e os prejuízos podem reaparecer. O tratamento indicado para o TDAH só deve ser interrompido após recomendação médica”, explica.

É importante dizer também que além de seguir o tratamento multimodal, indicado na maioria dos casos, que envolve medicamento e consultas psicoterápicas, os pais precisam acompanhar de perto a rotina dos filhos. É recomendado ajudá-los utilizando lembretes, agendas e participando ativamente do cotidiano, principalmente nas férias, quando a criança tem mais tempo ocioso”, recomenda.

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade acompanha a vida de mais de 330 milhões de pessoas em todo o mundo. Segundo a ABDA (Associação Brasileiro do Déficit de Atenção) no Brasil entre 5 e 8% das crianças possuem este transtorno. A doença não tem cura, mas os sintomas podem ser controlados com medicação diária.  

Dr. Rubéns Wajnsztejn – CRM 36527


Fundamento Comunicação Corporativa
(11) 5095-3866
Vanessa Grinberg – vgrinberg@fundamento.com.br – (11) 5095-3865
Hannah Del Poio – hdelpoio@fundamento.com.br – (11) 5095-3872

Tags:

Nenhum comentário Quero comentar!

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment

Protected with IP Blacklist CloudIP Blacklist Cloud

Dados do Autor

Diversos Autores

Diversos autores colaboraram nos textos existentes no EsteticDerm. Alguns dedicaram suas matérias de forma específica. Outros foram colhidos em sites que disponibilizam material e publicados após análise e aprovação da equipe de editores. As fontes na Internet são muitas mas sempre haverá busca, análise e aprovação do texto seja qual for sua origem. O enfoque principal é beleza e saúde do corpo humano embora tenhamos áreas de leitura geral. Muitas das publicações foram elaboradas por autoridades no assunto proposto. O conteúdo dos textos, artigos e matérias é de responsabilidade total de seus autores.

Email Site /blog

Dados desta matéria